Dia mundial da audição

3 março, 2022


 

Você visita o otorrino para check up anual?

9 fevereiro, 2022


 

Avaliação auditiva escolar

31 janeiro, 2022


 

27 janeiro, 2022


 

Cirurgia pra sinusite.

22 junho, 2021


 

Semana da Respiração Nasal

22 junho, 2021


 

Dia Mundial sem Tabaco

31 maio, 2021


 

Clima seco e o Nariz.

31 maio, 2021


 

Bera, você sabe o que é?

31 maio, 2021


 

Dia de Cirurgia!

31 maio, 2021


 

Toda tontura é "labirintite"?

21 abril, 2021


 

Outono e rinites

7 abril, 2021


 

RONCAR É NORMAL?

17 março, 2021

Essa é a Semana do Sono e dentro desse contexto a otorrinolaringologia atua nas questões respiratórias do sono. Isso inclui o ronco e a apneia, mas roncar é normal? 

No consultório é muito comum recebermos pacientes com queixas de roncos , sonolência diurna, desânimo, sensação de esquecimento.  Isso é um problema? 

Bem , o ronco é um distúrbio respiratório do sono. As pessoas roncam porque durante o sono ocorre um aumento na resistência respiratória, ou seja, as pessoas fazem  um esforço maior para respirar , com isso as partes moles da garganta ( região da úvula, amígdalas) vibram gerando o barulho que conhecemos com ronco. Apesar de o ronco ser considerado um problema social ( atrapalha o companheiro/ companheira)  para a pessoa que ronca o sono também não é repousante pois, como ocorre um esforço respiratório grande , o paciente se cansa e fragmenta o sono. Com isso vem a sonolência diurna, cansaço, e todas as consequências  decorrentes disso .

Você ronca? Tem dúvidas? Procure um médico otorrinolaringologista. 

 

PERDA DE OLFATO NA COVID. POR QUE OCORRE?

1 março, 2021

Depois de um ano de pandemia várias pessoas que tiveram a doença persistem com perda de olfato , mesmo depois de meses já recuperados. Por que isso ocorre?

Diferente da perda de olfato que sentimos com um resfriado comum ou gripe, na COVID o mecanismo é diferente. Durante o resfriado o nariz fica obstruído e dificulta a chegada das partículas aromáticas na área olfativa, ou seja, existe um bloqueio mecânico para que não consigamos sentir o cheiro das coisas. Mas mesmo assim percebemos alguns cheiros mais forte.

Na COVID as células de sustentação dos neurônios são atacadas pelo vírus, isso gera um inchaço local impedindo que as partículas aromáticas atinjam os neurônios olfativos. Por isso ocorre perda de olfato mesmo sem obstrução nasal. O vírus se liga a uma proteína  chamada Enzima Conversora de Angiotensina 2 ( ECA 2) e as células de sustentação são ricas nessa proteína. Não ocorre lesão direta nos neurônios. 

Na maioria dos casos o olfato retorna  quando a inflamação acaba. O tempo varia de pessoa para pessoa e de acordo com o grau da inflamação. Nos casos mais graves é provável que a inflamação dessas células tenha sido muito intensa, a ponto de causar lesão neuronal. Desse modo a recuperação do olfato depende das células tronco que existem ali para que esses neurônios se recuperem, o que pode demorar mais tempo.

Com diagnóstico e tratamento precoce a recuperação pode ser mais rápida. Procure um médico otorrino.